25 de jun de 2009

Não quis partir


Repentinamente as coisas voltaram...
Meu silencio findou...
Minhas mãos ergueram-se novamente
mas, eu não quis partir...
Mudei, com a mudança do meu mundo.
sonhei que era verdade
que nela estavas presente...
agora, te sinto como parte de todo um tempo,
que nada foi,
que em tudo, se perdeu...
Meu tempo,
quero te viver intensamente...
não apenas de sons perdidos,
Noites quietas
Silêncios que maltratam...
Eu quero te viver vida...
Junto ao meu, teu ser real.
Quero teu barulho a todo instante,
em todos os momentos...
Até mesmo,
quando só o silencio é companheiro...
(Fatima - 1987)

Nenhum comentário:

Postar um comentário