26 de jun de 2009

Partida


E foi num dia como este que parti.
Deixei atras de mim tudo o que tinha planejado...
Parti e não olhei para tras,
porque eu queria ser forte,
mas uma lagrima corria em meu rosto...
E eu não queria chorar!
Então corri.
O tempo passou mais depressa,
As pessoas me esqueceram,
Eu me tornei só!
Parti para uma fuga.
Fugi para as ruas, por entre as flores...
Elas também não me compreenderam...
Olhei em minha volta e nada vi.
Ri... ri muito!
Não era de felicidade que eu ria.
Onde estavam as pessoas que eu amava?
Não diziam elas serem compreensíveis?
Abri uma fenda em meu mundo e nela desapareci.
Chorei,
mas de que adianta chorar?
De que adianta chorar se as pessoas bitolaram-se?
Transformaram-se?
Materializaram-se?
E eu que vivo da lembrança de um passado feliz,
não creio mais nas pessoas
Porque não sabem distinguir o bem do mal,
Porque não veem as verdades.
Enfim, não creio mais nas pessoas,
porque delas, apenas resta o rotulo de humanas!
(Fátima - 09.10.1971)

Nenhum comentário:

Postar um comentário