2 de out de 2015

Malas

Arrumo as malas da alma e fecho a porta dos dias da vida de rotina.
Jogo fora as chaves,  me lanço ao desconhecido.
Pouco levo, melhor, 
nada levo senão velhos retratos de quem amo,
e algumas fotografias de amigos fiéis,
Ainda levo uma sacola de saudades...
Agora, não há destino, nem planos...
Levo o silêncio como companhia.
Todos os silêncios. 
Carrego assim minha alma embutida em um corpo, 
tal qual mala marcada pelas viagens que imaginei.
Nada além...
(Fátima, 09/04/2015)

Um comentário:

  1. Publicada na Revista Sopa de Siri/Dezembro/2016.

    ResponderExcluir